terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Oucpação William Rosa



Comissão das Ocupações Rosa Leão, Esperança e Vitória, com apoio da Ocupação William Rosa, na Porta da Prefeitura de Belo Horizonte. BH, 28/11/2013.


Ocupação Vitória, em Belo Horizonte: Resposta ao Carlos Viana da TV Record, BH, 01/12/2013.


Povo das Ocupações bloqueando o trânsito na Av. Afonso Pena em frente à Prefeitura de Belo Horizonte: luta contra os despejos de 8 mil famílias e por abertura de negociação. BH, 28/11/2013.


Ocupação Vitória, em Belo Horizonte – 4.500 famílias: mãe cadeirante, avó de 82 anos e mãe de três filhos na luta por moradia. BH, 01/12/2013


Ocupação Rosa Leão, já com 450 casas de alvenaria em construção: Eduardo já investiu R$9.000,00 para fazer sua casinha. Assim já são centenas de famílias. BH, 01/12/2013.


Governador de Minas se reuniu com representantes das Ocupações Rosa Leão, Esperança, Vitória e William Rosa: MESA DE NEGOCIAÇÃO CONTINUA ABERTA.

Governador de Minas se reuniu com representantes das Ocupações Rosa Leão, Esperança, Vitória e William Rosa:
MESA DE NEGOCIAÇÃO CONTINUA ABERTA.

Nota Pública à Imprensa e à Sociedade.

Belo Horizonte, MG, Brasil, 03 de dezembro de 2013.

          Ontem, segunda-feira, dia 02 de dezembro de 2013, às 16h20, Wander Borges, secretário da Secretaria de Regularização Fundiária
 do Governo de Minas Gerais, telefonou para frei Gilvander dizendo que o Governador Antonio Anastasia estava voltando de Montes Claros e queria se reunir com a Comissão de representantes das Ocupações Rosa Leão (1.500 famílias), Esperança (2 mil famílias), Vitória (4.500 famílias) e William Rosa (3.900 famílias; no total, 12 mil famílias), às 18:00h, ou seja, 1 hora e 40 minutos após, na sede do Ministério Público de MG, à Rua Dias Adorno, 367, BH. Após muita correria, 10 representantes das Ocupações, acima referidas, entre os quais representante das Brigadas Populares, do Movimento de Luta nos Bairros Vilas e Favelas - MLB, da Comissão Pastoral da Terra - CPT, da CSP-Conlutas/Luta Popular, que dias atrás foram chamados de forma provocadora de “terroristas” pelo prefeito de Belo Horizonte, o vereador Adriano Ventura, duas defensoras públicas, uma promotora de justiça do MP, dois Procuradores Gerais Adjuntos, o Procurador Geral do Ministério Público do Estado de Minas, o secretário Wander Borges e o Governador do estado de Minas Gerais, Antonio Anastasia, se reuniram no 3º andar de um dos prédios do Ministério Público.
O Governador Antonio Anastasia ouviu atentamente durante 2 horas as lideranças das comunidades ameaçadas de despejo e representantes dos movimentos sociais populares que acompanham as ocupações. Depois Anastasia falou revelando seu posicionamento. E ouviu algumas reações das lideranças diante do posicionamento dele.
As lideranças, entre muitas informações e reflexões, colocaram, por exemplo:
A Dra. Cláudia Spranger e a Defensoria Pública de MG pediram a suspensão dos
 despejos das Ocupações Rosa Leão, Esperança e Vitória. Há um imbróglio jurídico nas terras da Região do Isidoro, onde estão as ocupações Rosa Leão, Vitória e Esperança. Sobre o terreno do CEASA/Governo Federal onde está a Ocupação William Rosa também.
O déficit habitacional em BH e região metropolitana está imenso e crescendo. Deve estar acima de 150mil moradias. O povo não tolera mais sobreviver debaixo da cruz do aluguel ou da humilhação que é sobreviver de favor. Há possibilidade de se fazer Conciliação em 2ª Instância no TJMG. Empresários já sinalizaram para o Ministério Público dizendo que estão abertos à negociação. O Governo Federal e o prefeito de Contagem já deram sinal de que também virão para Mesa de Negociação. Despejo forçado é uma tragédia, é inconstitucional, atenta contra a dignidade humana, piora mil vezes o problema social. Semreassentamento prévio ou alternativa digna despejos são inadmissíveis. Despejo é rasgar a CF/88 e desrespeitar prescrições da ONU e de vários tratados internacionais. Problema social grave como o causado pela injustiça social e
pelo imenso déficit habitacional é problema político e não policial. Com
polícia e repressão jamais se resolve, de forma justa e pacífica, um
problema social grave como o que as ocupações trazem à tona. Além do risco
 grave de massacres ao tentar fazer despejos, as 12 mil famílias das quatro ocupações, se forem despejadas, jamais vão se dispersar e, aí, estará montado o caos social e caos de mobilidade em Belo Horizonte e Contagem, MG.Essas cidades não podem ser paralisadas. O povo das ocupações está revoltado e profundamente indignado com o prefeito de BH, Márcio Lacerda, que trancou a sede da PBH com correntes e cadeados dia 28/11/2013, quando o povo das ocupações marchou 26 quilômetros a pé. Márcio Lacerda ainda teve ainsensatez, a covardia, de chamar o povo das ocupações de terrorista. Ao ouvir isso, várias pessoas foram hospitalizadas por causa da elevação de pressão etc. Agindo assim, o Márcio Lacerda está riscando palito de fósforo ao lado de um barril de combustível. O encaminhamento dado para as Ocupações Camilo Torres, Dandara, Irmã Dorothy, Dandara e Eliana Silva é um exemplo positivo que deve inspirar a forma de lidar com o povo das ocupações: com diálogo e jamais com repressão. 
Após ouvir atentamente todas as lideranças, o Governador Antonio Anastasia teceu várias considerações, entre as quais destacamos: “Ninguém em sã consciência não pode deixar de reconhecer o direito de lutar para se conquistar moradia.” “Quem está em uma ocupação está por necessidade. O Governador de MG não se nega e nunca se negará a negociar.” “Vamos tentar identificar a saída de forma madura e segura. Não podemos viver à margem das decisões judiciais, mas buscando sempre o equilíbrio, a negociação e a superação dos conflitos pelo diálogo. A vinda do Governo Federal para a Mesa de Negociação é positiva e um passo importante. Não fecho as portas para encontrarmos uma solução equilibrada, com serenidade, com calma. Não podemos andar em desacordo com as decisões judiciais. Primeiro, devemos ter serenidade. Vamos continuar conversando. Cede um pouco aqui, cede um pouco ali. Temos que ser criativos com espíritos desarmados. Vamos dar uma solução equilibrada. Não podemos postergar ad eterno. O Secretário Wander Borges vai combinar as próximas reuniões com frei Gilvander. O Ministério Público de MG também vai ajudar no processo de negociação.”
Assim, ficou definido pelo Governador de Minas Gerais que a MESA DE NEGOCIAÇÃO com as Ocupações Rosa Leão, Esperança, Vitória e William Rosa continua aberta.
Esperamos que os prefeitos de BH e de Contagem, o Governo
Federal, os empresários e o TJMG venham todos para a MESA DE NEGOCIAÇÃO que deverá viabilizar moradia para as 12 mil famílias dessas quatro ocupações,
 tentar evitar os despejos e, assim, garantir a normalidade da vida, sem paralisação da cidade pelo povo das ocupações.
Fica claro, que terrorista não é o povo e sim um prefeito que considera que a solução para as famílias das ocupações é a violência da PM, do Caveirão e do despejo. Independentemente da arrogância de prefeitos, a luta pelo direito humano de morar dignamente dessas famílias irá continuar e a união, organização, a luta e apoio da rede de solidariedade devem aumentar ainda mais. 

Negociação, sim; despejo, não!
Prefeitos Márcio e Carlin, recebam as ocupações!
Presidenta Dilma e Ministro das Cidades, queremos Minha Casa Minha Vida via Entidades. E a participação altaneira de vocês na Mesa de Negociação.
Enquanto morar for um privilégio, ocupar é um direito!

Assinam essa Nota Pública,

Brigadas Populares, MLB, CPT, Coletivo Rosa Leão, CSPConlutas/ Luta Popular, Rede de Apoio e Coordenações das Ocupações Rosa Leão, Esperança, Vitória e William Rosa.


Marcha das Ocupações Rosa Leão, Esperança e Vitória, da Região do Isidoro, em Belo Horizonte: Dona Neide revela a realidade dos pobres e emociona a todos. BH, 28/11/2013.


segunda-feira, 25 de novembro de 2013

GRANDE MARCHA DAS OCUPAÇÕES ROSA LEÃO, ESPERANÇA, VITÓRIA E WILLIAM ROSA, DE BELO HORIZONTE E CONTAGEM, MG. BH, 25/11/2013.

GRANDE MARCHA DAS OCUPAÇÕES ROSA LEÃO, ESPERANÇA, VITÓRIA E WILLIAM ROSA, DE BELO HORIZONTE E CONTAGEM, MG.  

MARCHA PELA DIGNIDADE e PELA MORADIA, POR MESA DE NEGOCIAÇÃO COM O PREFEITO E A PREFEITURA DE BELO HORIZONTE!

 Esse é um CONVITE: Venham participar conosco!

As Coordenações das Ocupações, os movimentos Brigadas Populares, MLB, Comissão Pastoral da Terra e MLPM convocam todos os moradores das Ocupações Rosa Leão, Esperança e Vitória para participarem da Grande Marcha das Ocupações rumo à prefeitura de Belo Horizonte, Marcha pela dignidade, pela moradia! Vamos juntos deixar claro à sociedade mineira que não aceitamos despejos! Temos que pressionar a prefeitura de Belo Horizonte a reabrir a negociação conosco! Despejo não é solução, exigimos negociação!

Dia 28 de novembro, quinta- feira. Horário da Alvorada: 4h da madrugada.
Ponto de concentração das ocupações e saída: Centro Comunitário da Ocupação Rosa Leão, no bairro Zilah Sposito, em BH.
Horário da partida: 5 horas da manhã. Trajeto: Pela Av. Cristiano Machado até PBH no centro de BH, na Av. Afonso Pena!

Todos devem levar o KIT MILITANTE: uma mochila contendo todos os itens que a família precisa levar para a marcha: 1) garrafa de água de 2 litros; 2) Lanche para os intervalos da caminhada; 3) Blusa de frio ou chapéu/sombrinha ou boné; 4) Artigos pessoais, 5) Documento de identidade; 6) Remédios, se necessário 7) Algum dinheiro, se tiver.

Precisamos de doação de alimentos – arroz, feijão, óleo, macarrão e verduras – para fazermos almoço para a multidão que estará marchando. Quem puder doar alimentos, entre em contato nos telefones, abaixo, ou entregue a coordenadores das Ocupações.

Contatos para participação e/ou apoio: com Rafael, cel.: 31 8812 0110 ou com Bruno, cel.: 31 9250 1832.


segunda-feira, 18 de novembro de 2013

CARTA DAS OCUPAÇÕES DE SEM-TETO DE BELO HORIZONTE E CONTAGEM, MG, AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DE MINAS GERAIS. BH, 13/11/2013.

CARTA DAS OCUPAÇÕES DE SEM-TETO DE BELO HORIZONTE E CONTAGEM, MG,
AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DE MINAS GERAIS

Belo Horizonte, 13 de novembro de 2013
Excelentíssimo Governador do Estado de Minas Gerais,
Sr. Antônio Augusto Anastasia,

De acordo com a carta dirigida ao Gabinete do Excelentíssimo Governador, no dia 04 de novembro do corrente ano, as ocupações de sem-teto da região do Isidoro (Ocupação Rosa Leão, Vitória e Esperança) em Belo Horizonte, e a ocupação William Rosa, em Contagem, MG, reiteram a necessidade de que o Governo Estadual contribua para uma solução justa, pacífica e negociada acerca dos conflitos “sócio fundiários” em desenvolvimento na Grande Belo Horizonte. Afirmamos, mais uma vez, que o papel do Sr. Governador é central na construção de uma alternativa ao despejo, alternativa que seja justa e digna.
Sendo assim, propomos as diretrizes imediatas de superação desta situação de grave ameaça às famílias sem teto de Minas Gerais:
1) Suspensão imediata de todas as liminares de reintegração de posse em curso contra as ocupações Rosa Leão, Esperança e Vitória (localizadas em BH) e a ocupação William Rosa (Contagem, MG).

2) Estabelecimento de uma Mesa de Negociação com o objetivo de discutir e elaborar propostas alternativas ao despejo. Sugerimos que este Fórum seja composto por representantes das ocupações, movimentos sociais populares que estão acompanhando as ocupações, representantes de instâncias dos governos Municipais de Belo Horizonte e Contagem, Governo Estadual e Governo Federal, além de indicações do Poder Judiciário, Ministério Público da área de Direitos Humanos e Defensoria Pública da área de Direitos Humanos, entre outros órgãos pertinentes ao tema, tal como o Grupo de Arquitetos da UFMG e PUC/Minas que acompanham as ocupações.

3) Comprometimento do Governo Estadual no sentido de desautorizar qualquer operação policial de despejo contra as comunidades antes que todas as possibilidades de negociação sejam esgotadas.

4) Suspensão imediata das manobras de intimidação da Polícia Militar junto às ocupações da Mata do Isidoro/Granja Werneck e Ocupação William Rosa, perto do CEASA, em Contagem, MG.

5) Cumprimento do acordo realizado no dia 04 de novembro de 2013 com representações oficiais deste governo, que prevê o agendamento de uma reunião com Vossa Excelência Sr. Governador de Minas Gerais, ainda no início de dezembro, no sentido de apresentarmos pessoalmente, e com detalhes, a situação das ocupações e dialogarmos sobre possibilidades alternativas ao despejo.

6) Compromisso político com a proposta de transformação da área da região do Isidoro/Granja Werneck em AEIS (Área Especial de Interesse Social), sua desapropriação pelo poder público e sua posterior regularização fundiária, com a emissão de títulos de todas as famíliasque hoje habitam as três ocupações.

Certos do empenho de  V. Ex.ª, solicitamos deferimento.  
Atenciosamente;

-------------------------------------------------------
Coordenação da Ocupação Rosa Leão

-------------------------------------------------------
Coordenação da Ocupação Esperança

-------------------------------------------------------
Coordenação da Ocupação Vitória

------------------------------------------------------
Coordenação William Rosa

------------------------------------------------------
 CSP/Conlutas/ Luta Popular

----------------------------------------------------
Brigadas Populares e MLPM

------------------------------------------------------
    MLB – Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas

----------------------------------------------------------------

Rede de Apoio/CPT – Comissão Pastoral da Terra.

O Povo das Ocupações Rosa Leão, Esperança, Vitória e Helena Greco chegam à Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, MG, para cobrar abertura de Mesa de Negociação e suspensão de despejos: Momento histórico e tenso, dia 04/11/13. Veja aqui um pouco do calor da luta. Belo Horizonte, MG, Brasil, 04/11/2013.


Ocupações de BH e Contagem: Bloqueio da Linha Verde, chegada à Cidade Administrativa e Manifestação na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, dia 13/11/2013.


Wellington, repórter popular da Ocupação Rosa Leão, na Reportagem - Parte II: “Luta das Ocupações Rosa Leão, Esperança, Vitória, de Belo Horizonte, MG; e William Rosa, de Contagem, MG, bloqueando a MG 10/Linha Verde, em Belo Horizonte, ao lado da Cidade Administrativa, em BH: luta contra os despejos das 4 Ocupações: 12 mil famílias sob ameaça de despejos. É Luta por Mesa de Negociação, em 13/11/2013.”


domingo, 17 de novembro de 2013

PROPOSTA de Abaixo Assinado em Apoio às Ocupações Rosa Leão, Esperança, Vitória, em Belo Horizonte, MG, e William Rosa, em Contagem, MG. BH, 17/11/2013.

ABAIXO ASSINADO DE APOIO ÀS OCUPAÇÕES ROSA LEÃO, VITÓRIA E ESPERANÇA, em Belo Horizonte, MG, e WILLIAM ROSA, em Contagem, MG.
Nós, abaixo assinados, viemos de público manifestar nosso apoio às ocupações da região do Isidoro/Granja Werneck, em Belo Horizonte, Minas Gerais.  Acreditamos que as ocupações não são um problema, mas uma solução para milhares de famílias que hoje vivem em área de risco, de favor, o que é humilhante, ou em casas alugadas, o que é uma cruz. Exigimos que todas as autoridades se abram para Mesa de Negociação com as ocupações e que suspendas os despejos.  Apostamos no diálogo, não no despejo. 
Nome Completo (Legível)
Doc. Identidade
Assinatura








































_________________________________, _______ de _____________ de 2013

    (cidade)                                                                   (dia)                      (mês)
Obs.: Agradecemos, de coração, a quem puder ajudar na coleta de assinaturas. Após recolher os nomes, doc. e assinaturas, favor entregar à Coordenação das Ocupações, acima.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Está aberta Mesa de Negociação do Governo de Minas Gerais com as Ocupações Rosa Leão, Esperança, Vitória e William Rosa. BH, 13/11/2013.

Está aberta Mesa de Negociação do Governo de Minas Gerais com as Ocupações Rosa Leão, Esperança, Vitória e William Rosa.
Por frei Gilvander Luís Moreira
Dia 13/11/2013, cerca de 600 pessoas das Ocupações Rosa Leão (1.500 famílias), Esperança (2 mil famílias), Vitória (4.500 famílias), na Região do Isidoro/Granja Werneck, em Belo Horizonte, MG e William Rosa (3.900 famílias), perto do CEASA, em Contagem, MG, chegaram por volta das 13:30h na Linha Verde perto da Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, MG, e bloquearam o trânsito da Linha Verde nos dois sentidos (sentido aeroporto e sentido centro de BH). Por volta das 14:30h, as centenas de pessoas das quatro ocupações conseguiram mais uma vez chegar à Cidade administrativa, driblando a polícia, e acamparam na porta de entrada do Edifício Minas onde aconteceu, das 15:00h às 18:30h, uma grande reunião com vários representantes do Governo de MG, com uns 10 comandantes da PM, com um desembargador, um deputado, Ministério Público, Defensoria pública de MG, representantes das quatro ocupações, representantes das Brigadas Populares, do MLB, da CPT, da RENAP e da Luta Popular.
Após muita discussão e ponderações sobre todos os lados que envolvem o gravíssimo problema social que atinge diretamente 12 mil famílias das quatro ocupações, citadas, acima, conquistamos mais alguns compromissos do Governo de MG, que são imprescindíveis no encaminhamento de soluções justas e negociadas que não passem por despejos forçados. Para isso ficou claro na reunião que o Governo de MG está aberto ao diálogo, mas é urgente e necessário que o prefeito de Belo Horizonte, Sr. Márcio Lacerda; o prefeito de Contagem, Carlim Moura; e o Governo Federal se abram para um diálogo que possibilite o encaminhamento justo e negociado do Conflito social ora instalado. O Ministério Público anunciou que empresários da Granja Werneck já sinalizaram que podem negociar.
A partir de hoje, 13/11/2013, os grandes inimigos das Ocupações continuam sendo o prefeito de Belo Horizonte, o prefeito de Contagem, MG, e o governo Federal que exige reintegração de posse da Ocupação William Rosa. Esperamos que uma onda de sensatez toque a mente e coração dos Prefeitos Márcio Lacerda e Carlim Moura, da Presidenta Dilma e do Ministro das Cidades, se não o povo já sabe o que tem que ser feito. Sendo que o CEASA deixou por muitas décadas um terreno enorme ocioso, abandonado, sem cumprir a função social, é inadmissível que o Governo Federal não ceda o terreno ocupado por 3.900 famílias da Ocupação William Rosa para se fazer um grande programa habitacional lá. Ademais, há terrenos e terrenos do CEASA/MG ainda não ocupados pelos sem-casa. Acorda, prefeitos! Acorda, Governo Federal!
Despejo jamais revolve de forma justa esses graves problemas sociais. Com despejo, se não resultar em massacres no momento, resulta em massacres a conta gota. E pior, gera caos social, fomenta a violência social e poderá paralisar BH e Contagem, pois as 12 mil famílias jamais vão se dispersar.
A luta de hoje selou o pacto entre as 3 ocupações da Região do Isidoro e a Ocupação William Rosa. Juntas, são 12 mil famílias, que agora irmanadas não arredarão um milímetro de seus direitos, entre eles o direito a moradia digna e própria.
Ficou claro também que a juíza Luzia Divina, da 6ª Vara de Fazenda Pública, pode e deve voltar atrás, se retratar e acolher os pareceres do Ministério Público da área de direitos Humanos que podem a suspensão das liminares e convocação de Audiência de Conciliação.
Ficou claro também que o TJMG pode encaminhar e contribuir muito com Conciliação em 2ª instância. Ficou claro que não pode haver despejos sem alternativa digna, que é reassentamento prévio. Ficou claro que na Granja Werneck pode se construir casas para umas 50 mil famílias empobrecidas na faixa de zero a três salários mínimos.
Ficou claro que a Prefeitura de BH só tem 3,5 hectares de área ocupada na Ocupação Rosa Leão, sendo que a Ocupação Rosa Leão já retirou 99 famílias de uma área ambiental que tem mais de 3,5 hectares. Logo, não deve haver mais área da PBH para ser liberada em nenhuma das três ocupações: Rosa Leão, Esperança e Vitória. Mais: A URBEL já fez pré-cadastro de 1.527 famílias da Ocupação Rosa Leão.
Ficou claro que a SEDESE pode e deve fazer um cadastro sócio econômico das famílias das quatro ocupações. As Ocupações se comprometeram em entregar na reunião com o Governador o cadastro das famílias das ocupações.

Cf., abaixo, a transcrição do teor dos compromissos firmados pelo Governo de MG com as Ocupações Rosa Leão, Esperança, Vitória e William Rosa.

COMPROMISSOS RESULTANTES DA REUNIÃO DE 13 DE NOVEMBRO DE 2013 ENTRE OCUPAÇÕES ROSA LEÃO, ESPERANÇA, VITÓRIA (EM BELO HORIZONTE) E WILLIAM ROSA (EM CONTAGEM, MG), Brigadas Populares, MLB, CPT, RENAP, LUTA POPULAR E SECRETÁRIOS DO GOVERNO DE MINAS GERAIS.
O Secretário de Estado da Defesa Social, Dr. Rômulo Ferraz; o Secretário Extraordinário de Regularização Fundiária, Deputado Wander Borges; e o Comandante-Geral da Polícia Militar de Minas Gerais, Cel. Márcio Sant’Ana, firmam com as lideranças populares presentes na reunião – representantes das Ocupações Rosa Leão, Esperança, Vitória, em Belo Horizonte, e William Rosa, em Contagem, e os movimentos sociais Brigadas Populares, MLB, CPT, RENAP e Luta Popular – os seguintes compromissos:

+ Manutenção da mesa de negociações, com tentativa por parte do Governo do Estado de estabelecer interlocução com o Governo Federal e os Governos Municipais de Belo Horizonte, Contagem e Santa Luza e, ainda, com a participação da Agência Metropolitana de Belo Horizonte/Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano (ARMBH/SEDRU) para busca de soluções negociadas e justas para os conflitos;

+ Manutenção do compromisso de reunião entre as lideranças e o Governador do Estado, a ser realizada no mês de dezembro de 2013; e

+ Compromisso da Polícia Militar de observar a Nota Técnica n. 002/2013, do Ministério Público do Estado de Minas Gerais, no sentido de que desocupações não sejam feitas sem a adequada notificação dos afetados, isto é, sem aviso prévio.

Belo Horizonte, 13 de novembro de 2013.

Rômulo Ferraz
Secretário de Estado de Defesa Social

Wander Borges
Secretário de Estado Extraordinário de Regularização Fundiária

Cel. Márcio Sant’Ana, 
Comandante-Geral da Polícia Militar de Minas Gerais

Obs. 1: Esse compromisso foi assinado pelos secretários e Comandante-Geral da PM de MG, acima, referidos.

Obs. 2: Participaram da reunião, além dos Secretários Comandante-Geral da PM de MG referidos, acima, o Secretário da SEDESE, Dr. Cássio, que teve que sair antes de terminar a Ata-compromisso; o Cel. Brito, o Secretário Adjunto da Casa Civil, um representante da Advocacia Geral do Estado, o desembargador Armando Freire, representando O TJMG; o deputado estadual João Leite, representando a Assembleia Legislativa de MG; o Procurador Adjunto do Ministério Público,Dr. Geraldo Vasques; o Subdefensor Geral da Defensoria Pública de Minas Gerais; Charlene, representando a Ocupação Rosa Leão; Edna, representando a Ocupação Esperança; Elielma e Sebastião, representando a Ocupação Vitória, Lacerda, representando a Ocupação William Rosa e Luta Popular; Rafael Bittencourt, representando as Brigadas Populares; Leonardo Péricles, representando o MLB; Dr. Élcio Pacheco, representando a RENAP (Rede de Advogados Populares); Frei Gilvander Luís Moreira, representando a Comissão Pastoral da Terra (CPT), Dra. Ana Cláudia Alexandre e Dr. Lucas Diz Simões, representando a Defensoria Pública de MG da área de Direitos Humanos e vários outros comandantes militares e assessores do Governo de MG.

Veja também, abaixo, fotografia do Compromisso com assinatura dos secretários do Governo de MG.



terça-feira, 12 de novembro de 2013

Mais um jovem é vítima da violência urbana

Nota da Ocupação William Rosa

Hoje, dia 12 de novembro, comemoramos o aniversário de um mês da ocupação William Rosa. Temos muitos exemplos de solidariedade e trabalho coletivo para serem apresentados. Exemplos que mostram que quando o povo se une para lutar pelos seus direitos vencem dificuldades inimagináveis. Superam velhos conceitos individualistas e aprendem a viver coletivamente. A troca, a ajuda mútua passa a ser a principal lei dentro da comunidade.

Nossa cozinha coletiva, que vive das doações dos moradores e colaboradores, alimenta mais de mil famílias por dia. Alimento que vem do trabalho de voluntários que entendem que esta é uma contribuição fundamental para a luta. Os dias de chuva só são superados por que um abriga o outro e ajuda na reconstrução dos barracões destruídos. Todos os espaços coletivos: cozinha, creche, segurança, bazar foram feitos a várias mãos que se erguem na luta e no trabalho cotidiano.

Até agora evitamos o despejo e colocamos muitos tijolos em nosso sonho de ter onde morar, de oferecer um lar aos nossos filhos. Mas nem tudo é motivo de comemoração. Enfrentamos a insensibilidade dos governos e a truculência da polícia que no dia 01 de novembro bombardeou a ocupação por quase 2h, ferindo mulheres e crianças.

Hoje fomos mais uma vez vítimas do descaso e da violência. Um jovem foi assassinado dentro da ocupação. O atirador é desconhecido, mas não nos furtamos de apresentar os culpados que vitimam diariamente milhares de jovens nas perifeias das cidades. Não nos iludamos: não evitaríamos que os problemas cotidianos do povo atingissem nossa comunidade. As armas que matam nossos jovens não são fabricadas em nossos bairros.  Chegam aqui por aqueles que controlam o poder do estado, da polícia e a economia em nosso país, os mesmos que marginalizam a juventude pobre, que a condena a não ter perspectivas decentes de vida. Os poderosos que negam moradia, saúde e educação à população trabalhadora são os verdadeiros responsáveis pela morte de mais um jovem negro nesta cidade.

A única saída para toda a miséria social da juventude é a luta por nossos direitos. Hoje choramos a morte em nossa ocupação, mas nossas lágrimas só reforçam a necessidade de seguir em frente.


Viva a Ocupação William Rosa!